quinta-feira, 28 de maio de 2015

Eu Estava Certo! Não Foi Só Um Roubo de Medalha!

Olá Pessoal, depois de um tempo resolvi reativar meu blog... e aqui vai um texto para recordar. É sobre o Sr. José Maria Marin. Vale a pena recordar, o texto foi escrito em 2012, por ocasião do roubo da medalha praticado por ele na final da Taça São Paulo... o texto que segue vai sem alterações. "
José Maria Marin e o Roubo Da Medalha – Esse País Não é Sério

Acredito que a maioria dos visitantes do Blog saibam que sou corintiano, por isso, na última quarta-feira, estava eu assistindo à final da Copa São Paulo, o equivalente ao Campeonato Brasileiro sub-18. Corinthians 2 x 1 Fluminense, festa no Pacaembu para os quase 40 mil corintianos.

            Para os que não estavam lá como eu, um fato roubou a cena, o roubo da medalha, isso mesmo, o Sr. José Maria Marin foi flagrado roubando uma medalha que deveria premiar algum jogador. Eu percebi o fato ao vivo, ele ficou com a medalha alguns segundos esperando um jogador para premiar, depois, tentando disfarçar, enrolou a medalha e sorrateiramente a colocou no bolso, resultado: o goleiro do time corintiano, Matheus, ficou sem a premiação naquele dia.

            O Sr. José Maria Marin é figura bastante conhecida em São Paulo, foi vice-governador de Paulo Maluf, e governador por 10 meses, também já ocupou o cargo de presidente da Federação Paulista de Futebol-FPF, atualmente é o presidente em exercício da Confederação Brasileira de Futebol-CBF.

            Acompanhei um pouco a repercussão do fato na internet e na televisão e a minha conclusão é de que de fato Nosso País Não é Sério. Porque simplesmente tratou-se do fato como piada, com humor e muita chacota, “ele é corintiano”  e etc. Isto nos impede de julgar as coisas com sobriedade.

            Pior de tudo foi a versão dada pela FPF de que tinha dado ao Sr. Marin uma medalha numa tentativa ridícula de tentar esconder o que os telespectadores viram, a medalha foi roubada, o ato de enrolar e meter no bolso escondidinho revela o ilícito. Deram nada, as medalhas estavam contadas e por isso faltou exatamente uma.

            Este Sr. Ladrão de medalha, num país sério, seria demitido do posto que ocupa, como medida exemplar para todos nós, a FPF deveria repudiar o roubo ao invés de desculpá-lo.

            Este homem foi capaz de roubar medalha de garotos, agora pense em quantos contratos ele assinou como governador, quanto dinheiro ele movimentou no Estado de São Paulo, com quantas empresas fez negócios, você se surpreenderia se houvesse um monte de falcatruas em muitas delas, e que muito dinheiro também foi roubado? Eu não. Na verdade, não me surpreenderia em nada se uma investigação mostrasse que grande parte do patrimônio deste Sr. não pode ser comprovado licitamente, justamente. Para mim quem rouba uma “simples” medalha rouba mais, muito mais desde que tenha oportunidades, é o caso do Sr. José Maria Marin, ele teve e pelo jeito continua tendo muitas oportunidades para roubar, se de fato o fez talvez algum dia saberemos, pois nem sempre temos uma câmera focado em nossas mãos.

            No entanto, os olhos de Deus são mais eficientes do que todos esses aparelhos juntos, e certamente acertará contas com o Sr. Ladrão de medalha, pelo roubo da medalha “e otras cositas mas”. “Quem é fiel no pouco é fiel também no muito” o contrário também é verdade, quem rouba medalhas também roub...

            Ah! mais uma coisa, senhores lojistas, grave bem a imagem deste homem, pois caso ele entre em sua loja, câmera nele, é o tipo que você não pode confiar.
            Nota: José Maria Marin foi preso ontem na Suiça a pedido da justiça americana. O FBI afirma que ele está envolvido em um esquema milhonário de propinas em contratos. As primeiras notícias prevem uma pena de até 20 anos de prisão. vai ser levado para EUA e responderá pelos crimes lá.

terça-feira, 21 de maio de 2013

A Responsabilidade Social Do Cristão



Foi um alvoroço só quando se espalhou o boato de que o programa do governo, “a menina dos olhos” do governo, o Bolsa Família, iria acabar. Milhares de pessoas, por todo Brasil lotaram as agencias da Caixa Econômica Federal para sacarem até o último centavo. A fome estaria de volta, a pobreza extrema novamente batendo na porta de milhares e milhares de brasileiros. O governo que acaba de celebrar o fim da pobreza extrema no Brasil teria que desfazer o discurso.
            O fato em si demonstra o quanto é frágil esta dita “extinção” da pobreza extrema, o quanto ela é enganosa e num aspecto danosa. Danosa por gerar em seus beneficiários acomodação social, afinal de contas, em última análise, o maior requisito para ser beneficiário desse programa é viver em extrema pobreza. Concordo que é necessário medidas urgentes, mas não podemos parar por aí, é preciso ter medidas a médio e longo prazo que possibilite o cidadão a se desmamar do governo. Sobre isso, não deixe de assistir o vídeo abaixo...
            Mas meu objetivo aqui também é mostrar o que as Escrituras têm a nos ensinar sobre isso? Como o cristão pode contribuir para a diminuição da miséria, da pobreza? Na perspectiva bíblica qual é o caminho correto de lutar contra a miséria e a pobreza? Segue alguns apontamentos[1]:

O Primeiro Dever Social é Prover Para Si Mesmo.
O modo apropriado de amar a si mesmo é prover as necessidades para a sua própria existência. Não será possível viver e amar aos outros a não ser que a pessoa ame sua própria vida e a sustente.
“Contudo vos exortamos irmãos... a diligenciardes por viver tranqüilamente, cuidar do que é vosso, e trabalhar com as próprias mãos, como vos ordenamos; de modo que vos porteis com dignidade para com os de fora e de nada venhais a precisar” I Tessalonicenses 4.11-12

e ainda em II Tessalonicenses 3.7-8 diz
“Nunca vos portamos desordenadamente entre vós, nem jamais comemos pão, de graça, à custa de outrem; pelo contrário, em labor e fadiga, de noite e de dia, trabalhamos, a fim de não sermos pesados a nenhum de vós” e depois no versículo 10 “Se alguém não quer trabalhar, também não coma”.

Assim, uma das coisas mais importantes que um homem pode fazer em prol dos outros é ganhar sua própria vida, pois, se cada homem se tornasse independente, haveria menos homens dependentes dos outros. Ou seja, o bem social fundamental que o homem pode fazer pelos outros é prover para si mesmo de modo que outros não precisem prover para eles e para si próprio. Neste sentido, o amor próprio é um bem social fundamental.

O Segundo Dever Social é Prover Para Sua Família
            No caso de haver em sua família, crianças, dependentes, deficientes físicos, viúvas, órfãos, idosos que não podem prover para si mesmos, é sua responsabilidade social prover para ela.
“Ora, se alguém não tem cuidado dos seus e especialmente dos de sua própria casa, tem negado a fé, e é pior do que o descrente” I Tm 5.8 e ainda no verso 16 “Se alguma crente tem viúvas, socorra-as e não fique sobrecarregada a igreja, para que esta possa socorrer as que são verdadeiramente viúvas”.

            Assim, a responsabilidade social primária para com os necessitados não recai sobre a igreja, nem sobre o estado, mas sim sobre a família. Isto, porém, não exclui a possibilidade da assistência social que é sustentada pelos seus impostos, mas sim que o indivíduo capaz deve prover para seus parentes de alguma maneira, seja incluindo-os nos programas do estado, seja por conta própria.
            É importante reforçar que para Paulo, só poderiam ser arroladas no rol de assistência da igreja, pessoas realmente incapazes de prover para si mesmas, ver I Tm 5.9-10 e 14.
Não seja inscrita senão viúva que conte ao menos sessenta anos de idade, tenha sido esposa de um só marido, seja recomendada pelo testemunho de boas obras, tenha criado filhos, exercitado hospitalidade, lavado os pés aos santos, socorrido a atribulados, se viveu na prática zelosa de toda boa obra. 14  Quero, portanto, que as viúvas mais novas se casem, criem filhos, sejam boas donas de casa e não dêem ao adversário ocasião favorável de maledicência.

O Terceiro Dever Social é Prover Para Os Seus Irmãos Crentes
            Este certamente é o aspecto mais específico ao cristão, pois, além de si mesmo e da própria família, a outra responsabilidade social que os crentes devem se preocupar é Prover Para Seus Irmãos Crentes. Em gálatas 6.10 diz:
“Por isso, enquanto tivermos oportunidade, façamos o bem a todos, mas principalmente aos da família da fé”

e podemos ver o seu esforço em levantar uma oferta para os crentes pobres em Jerusalém (Rm 15.26).
            O apóstolo João também trata deste assunto quando diz
“Ora, aquele que possuir recursos deste mundo e vir a seu irmão padecer necessidade e fechar-lhe o seu coração, como pode permanecer nele o amor de Deus?”

I Jo 3.17. e nas palavras de Jesus
“Nisto conhecerão todos os que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros” Jo 13.35.

            Isto não significa que o cristão não deve se preocupar com descrentes. A responsabilidade social dos cristãos começa com eles mesmos, depois com sua própria família, depois com a família da fé e depois com todos os homens.

 


[1] Ver Norman Geisler, Ética cristã.

sábado, 19 de janeiro de 2013

O Quarteto Milionário



Na sala fechada contavam seus méritos e se vangloriavam de seus feitos. Na poltrona maior estava o bispo pEdir Macedo, que hoje sofre de um tipo de atrofia nas mãos, dizem – os amigos mais chegados – que a atrofia foi causada pelo repetitivo hábito de contar ofertas; à direita do bispo, o Valdemônio Santiago expunha o chapéu dos milagres, com ele, gabava-se, recebeu como oferta da Igreja umas fazendas lá pelas bandas do Mato Grosso; à esquerda estava o Silas Mala-falsa rindo muito das histórias e milagres inventados e pagos. O RRR $oare$ (Rico Rolando de Rir, acrescentei um “r” só pra discontrair), mais comedido nas risadas e nas palavras, sempre que podia, mas sem sucesso, tentava convencer os outros a pela fé aderirem ao seu carnê de pagamentos, em suas palavras “para sustentar a cobra, perdoe-me a ‘obra’” vez por outra se confundia e o trocadilho causava muitas e muitas gargalhadas nos seus companheiros.
            O tempo passa, as apostas são altas motivo pelo qual um certo casal ainda não pôde participar. Regados a whisky e entretidos com o carteado, a nuvem de fumaça vinda dos seus charutos contrabandeados de Cuba agradava a todos, pois, facilitava a trapaça no jogo.
O jogo só foi interrompido quando Jezabel traz a última edição de uma revista com uma matéria que interessaria a todos. O ranking dos mais milionários líderes religiosos do Brasil: pEdir Macedo gracejava dos outros três que somados suas fortunas não chegava nem na metade dos seus 2 bilhões de reais. Toda inveja, cobiça, usura, ódio e avareza que habita esses homens foram escondidos por sorrisos amarelados. Até que alguém bate na porta, pEdir Macedo o anfitrião, pede desculpas aos seus convidados pelo inconveniente, mas é assunto importante, embora fácil de resolver.
Entra na sala o jovem Demas, em profunda crise que ele mesmo chamava de “crises ministeriais”. pEdir Macedo foi curto e grosso:
- “Demas você está demitido” falou ainda “afinal você é ou não é um dos nossos?”.
- respondeu Demas “eu sou, eu sou”
- então me diga “o que você estava fazendo na companhia de Paulo por cidades e cidades? Já não te disse que este Paulo é muito perigoso para os nossos negócios? Rosnou a garganta e se corrigiu, quer dizer ministério... uma má influência, diga-me com quem tu andas e eu direi quem tu és... quer ou não quer se tornar como um de nós?
- quero – respondeu Demas.
- então fique sabendo que nenhum de nós aqui tem parte com este homem. Você viu o que aconteceu com o jovem Timóteo (bate na madeira três vezes), de tanto andar com Paulo virou o que virou, apartou-se de nós. Anda pregando por aí a salvação pela fé em Cristo, que não precisa comprar nada, dar nada, que a salvação é pela graça, sem sacrifício algum da parte dos homens, que não precisa materializar a fé em ofertas abundantes para a igreja.
- me dê mais uma chance mestre – clamou Demas. Eu não quero mais andar com Paulo – continuou - ele ama a Deus acima de todas as coisas, pelo nome de Jesus foi perseguido, passou por privações, aflições, e acho que tem fortes tendências ao masoquismo, pois mesmo na fraqueza e na aflição ele diz que se alegra no Senhor, canta na prisão e etc. As vezes eu até cheguei a acreditar que Deus era mesmo com ele, que o que ele falava é verdade, que Jesus Cristo... não nos fale de Jesus... - interrompeu.
- tá vendo o que dá andar com Paulo, ouvir o que ele fala, você está quase contaminado, não serve pra mim – respondeu o bispo.
Dá mais uma chance pra ele pEdir Macedo, o garoto tem talento - disseram os outros. Então você vai me prometer uma coisa, “eu prometo, eu prometo” respondeu Demas. Então repita comigo “eu juro amar o mundo e as coisas do mundo; eu juro me entregar a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, eu renuncio todos os tesouros do céu em troca de tesouros na terra, eu juro entregar a minha vida a tudo o que é corruptível, carnal e mundano, em nome de mamóm.”
Enquanto isso, em outro lugar alguém escrevia “Timóteo procura vir ter comigo depressa. Porque Demas, tendo amado o presente século, me abandonou... se juntou a obreiros fraudulentos. Tu porém, ó homem de Deus, foge destas coisas; antes, segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a constância, a mansidão. Combate o bom combate da fé. Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste e de que foste inteirado, sabendo de quem o aprendeste. Porque não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus como Senhor e a nós mesmos como vossos servos, por amor de Jesus. O que para mim era lucro, isto considerei perda por causa de Cristo. Sim deveras considero tudo como perda, por causa da sublimidade do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; por amor do qual perdi todas as coisas e as considero como refugo, para conseguir Cristo e ser achado nele.”

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Chico Anysio e Hebe Camargo descansem em paz?




Eu tentei não escrever nada, mas não resisti. Parece meio cultural a morte transformar as pessoas em “bons meninos”. Já perceberam quando um figurão da corrupção e da política morre, seus adversários políticos passam a engrandecê-lo e coisa e tal, isto não me assusta, é do mundo.
Mas quando coisas assim aparecem no meio evangélico é triste. Quando o Chico Anysio morreu eu li no facebook de alguns irmãos a seguinte mensagem “Chico Anysio descanse em paz” resisti, não escrevi nada, agora foi a vez da Hebe, morreu, e ai a mesma frase aparece “Hebe descanse em paz” resisti por alguns dias, mas não “descansei em paz” hoje por ocasião da missa de 7º dia da morte da Hebe, resolvi escrever algumas palavras.
A mente débil de alguns crentes é ousada, impulsiva, incontrolável, ela quer por que quer se manifestar. Isto é grave, mas pelo menos a gente pode saber o quanto o entendimento de alguns é raso em algumas matérias da fé cristã.
Como assim “descanse em paz”? não sabem eles que “para o perverso, todavia, não há paz, diz o Senhor” Isaías 48.22; “os perversos são como o mar agitado, que não se pode aquietar, cujas águas lançam de si lama e lodo. Para os perversos, diz o meu Deus, não há paz” 57.20-21.
Chico Anysio, um ateu prático declarado e orgulhoso, Hebe Camargo uma idólatra evidente, quantas vezes beijou sua santinha como prova de sua devoção ao vivo em rede nacional e etc.
Não, não podemos dizer “paz, paz onde não há paz” Jeremias 6.14, isso era uma prática dos falsos profetas gritando nas ruas de Jerusalém incentivando a frouxidão moral e espiritual que o povo vivia.
Isso compromete a seriedade da nossa pregação que trata de vida e morte eternas. Se as pessoas não reconhecerem seus pecados, se deles não se arrependerem, se não se curvarem diante do nome de Jesus Cristo em vida, não haverá paz; se não forem convencidos pelo Espírito Santo mediante a pregação da palavra de Deus de que são pecadores e carecem da glória de Deus, não haverá paz, pelo contrário haverá tormento eterno. E Nenhum momento de dor ou de luto, por maior que seja pode me fazer esquecer destas coisas, pois a validade delas não depende do tempo e dos acontecimentos, depende tão somente da fidelidade de Deus para com a sua palavra.
            Da próxima vez que falarmos em paz fazemos bem se lembrarmos deste texto “Justificados, pois, mediante a fé temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo” Rm 5.1, Jesus Cristo ele é a nossa paz, evangelizou paz, nos trouxe a paz.

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Tributo a Legião Urbana – A Alma Faminta de Renato Russo


Assisti pela Mtv ao vivo o tributo à Legião Urbana. Já havia visto cenas dos ensaios e fiquei bastante curioso. Wágner Moura um fã declarado exerceu a função de “vocalista” não quis ser Renato Russo, fez o melhor que pode, não atrapalhou foi bem, na minha modesta opinião.
No sofá de casa e sozinho um misto de melancolia e saudosismo foi preenchendo o ambiente, eu ainda sabia quase todas as músicas que marcaram época, amigos e colegas e diversas situações, de riso e de choro vieram a memória facilmente, embora mais de riso que de choro, e por isso ri sozinho.
            Mas não me imaginem em frente a televisão fazendo gestos de quem teria uma guitarra nas mãos cantando “agora santo cristo era bandido destemido e temido no distrito federal, não tinha nenhum medo de polícia, capitão ou traficante, playboy ou general” podem acreditar, eu não fiz isso.
            O que foi me chamando a atenção nas músicas é que elas retratam uma alma faminta, inquieta, questionadora, inconformada e por muitas vezes depressiva. Talvez seja esse o fator do sucesso da banda, ter “tocado” no fundo de muitas outras almas famintas e sedentas. Foi me chamando atenção ainda perceber como grandes temas da filosofia, antropologia, e da teologia apareciam e de certa forma se entrelaçam entre essas matérias. Por exemplo, “quem me dera ao menos uma vez entender como um só Deus ao mesmo tempo é três, e esse mesmo Deus foi morto por você...”, a irônica celebração dos efeitos da depravação humana, os efeitos destrutivos do egoísmo humano, a menção de anjos e diabo, de bem e mal, e o pedido de socorro a “quem inventou o amor me explica por favor...” compreendendo que o amor é sentimento comunicado, e etc.
            A alma de Renato até este tempo não havia encontrado saciedade, embora peregrina, tateava no escuro, com inúmeras perguntas, poucas respostas corretas. Parafraseando Agostinho “Tu nos fizeste para ti e a nossa alma só encontra descanso em ti”, Renato não percebeu isso até então. Que havia um lugar para saciar a sede, uma pessoa que disse: Eu sou a água da vida, quem beber da água que eu der nunca mais terá sede, mas do seu interior fluirão rios de água viva, meu corpo é verdadeira comida e o meu sangue verdadeira bebida.
No fundo nossa alma anseia por um lugar, lugar de descanso e refrigério, nossa alma anseia por um porto seguro que põe fim a viagem tempestuosa de um mar revolto, anseia por uma cidade onde possa habitar, “Deve haver algum lugar” questionava Renato Russo numa de suas músicas. Sim! É claro que sim, há um lugar preparado para todos aqueles que beberam do sangue e comeram do pão vivo que veio dos céus. Sim! Claro que sim, há uma cidade santa, decorada para seu encontro com o seu rei, uma cidade onde Deus habita com o seu povo, onde a morte já não existe, onde toda lágrima foi enxuta, não há luto, nem pranto, nem dor, as primeiras coisas passaram.
“Quando tudo está perdido sempre existe uma luz, quando tudo está perdido sempre existe um caminho” espero que ele tenha encontrado a luz, o caminho, a luz do mundo, o caminho estreito, Jesus Cristo, e espero que o leitor também já tenha encontrado, o lugar, a bebida, a comida que traz refrigério e descanso, sacia a sede e a fome.


sexta-feira, 30 de março de 2012

Sandy É Devassa!


                 A Sandy cresceu, envelheceu, e virou “devassa”.
            A boa mocinha da dupla Sandy e Júnior não existe mais. Sim! Aquela mocinha sempre bem vestida, recatada, de opiniões conservadoras, de valores familiares conservadores, que queria muito se casar virgem, e que inspirava crianças a serem boas mocinhas, e, que fazia com que os pais comprassem suas músicas, DVDs para suas preciosas filhinhas se foi.
A Sandy de hoje é diferente e faz de tudo para se desvincular daquela imagem de boa mocinha. Gradativamente ele vai conseguindo, embora muitos duvidem da sinceridade de suas opiniões em assuntos morais controversos.
Senão vejamos, Sandy mostrou o seu lado devassa e surpreendeu muita gente. Ela que anteriormente era a moça do suco e do guaraná, que tinha acordo contratual para não se associar a nenhum tipo de bebida alcoólica, por US$ 1 milhão, virou a garota das rodas de cerveja, a Devassa. Ela anteriormente símbolo do recato e pudor nacional, “dizem” soltou o verbo na revista Playboy, falou até sobre o possível prazer do sexo anal; a doce e meiga Sandy revelou ultimamente ser fã de “Ultimate Fighting” MMA, UFC isso mesmo, dizem que ela luta boxe; como se não bastasse, a antes conservadora dos valores da família, agora é a favor da descriminalização do aborto, e do casamento gay.
Já escrevi aqui sobre o aborto, o leitor se quiser pode consultar nas publicações anteriores.
O que chamo a atenção de meus leitores é que Sandy escolheu o caminho mais fácil, da mídia, do produto que vende mais, do caminho largo, da porta larga que muitos se aventuram em caminhar e entrar. É difícil nadar contra a corrente, andar na contramão do mundo e de seus valores. É muito fácil seguir o curso, é fácil dizer que comportamento gay está certo, que aborto está certo, que a prostituição é uma profissão como qualquer outra, é fácil optar pela frouxidão moral, para isso não precisa de muita inteligência, de cérebro, é só repetir a “reza” e pronto, são aplaudidos.
Difícil é ter posição firme e fundamentada, tendo que dar razões do que cremos e pensamos porque muitos são os questionamentos contrários. E aqui nós também pecamos, porque muitas vezes nosso conhecimento das Escrituras é raso, o que nos leva a vivermos uma fé rasa num deus raso.

     Sandy tem passado pela porta larga, caminhado pelo caminho da perdição que se contrapõe com a porta apertada e com o caminho estreito que conduz a vida. Tem buscado a glória que vem dos homens, negligenciando a salvação que vem de Deus.
        

quarta-feira, 21 de março de 2012

Sujos, Imundos e Mal-Lavados






A guerra de acusações que ronda o meio evangélico extrapolou as barreiras denominacionais e chegou ao âmbito nacional. Isso mesmo, todo o Brasil viu a matéria do repórter Marcelo Resende para o Domingo Espetacular, quem não viu pelo programa, viu na internet pelas redes sociais.
Uma guerra “evangélica” e diferente, bem diferente das guerras que nossos pais na fé degladiaram. Só para citar algumas: o apóstolo João degladiou contra o herege Cerinto, contra o dualismo gnóstico, contra os anticristos; degladiou firmemente em favor da plena encarnação do Filho de Deus; já os discípulos dos apóstolos guerrearam contra o Maniqueísmo, Montanismo, Novacionismo, contra os Donatistas; guerrearam contra as ideias anti-trinitárias de Ário de Alexandria, contra os doscetas que negavam a plena humanidade de Cristo, como se fosse este um fantasma. Vejamos as guerras dos Reformadores: Lutero contra os anabatistas, Calvino contra os papistas, enfim, os reformadores lutaram, foram homens que travaram guerras em favor das Escrituras como regra de fé; em defesa da salvação somente pela fé e não pelas obras; em favor de valores morais “puritanos”; em favor de uma Igreja mais santa.
Mas a guerra dos lobos vorazes vestidos em peles de cordeiros é pelo poder, pelo dinheiro, pelo sucesso, pela audiência. 
Outra diferença entre estas guerras é que os nossos pais não guerrearam contra os seus iguais, e sim contra os seus oponentes. Agora veja isso, depois do programa ir ao ar e da manifestação do Silas Malafaia, foi a vez do Valdemiro falar e fazer acusações com base na “revelação que recebeu de Deus”: sobre o repórter Marcelo Rezende, que ele chama de Marcelo Resenha, ele o acusa de fazer contratos fraudulentos com as emissoras, o esquema seria assim, dois contratos um para dedução de pensão alimentícia, outro o verdadeiro salário do repórter.
Valdemiro ainda é cômico, é descontraído tirando sarro do nome do repórter, se eu fosse o Marcelo “Resenha” dava o troco e diria “fica quieto ai oh Valdemônio Santiago” ou então, “cala a boca Valdemiro Salteador” ou juntava os dois “Valdemônio Salteador”, esse ficou ótimo. 
Sobre o Edir Macedo, Valdemônio faz tantas outras acusações, a linguagem utilizada por Valdemônio é típica de bandidos, pessoas com quem ele está acostumado a conviver, portanto, não faz parte do linguajar meu e de pessoas de bem, Valdemônio sugere que se levante a “capivara” dele e de Macedo. Eu não entendi bem isso, mas parece ser preocupante “será que além de rei do gado ele quer ser também o rei das capivaras, o rei da floresta, o tarzan”.
Para Silas Malafaia, Valdemiro e Macedo são farinha do mesmo saco, e eu concordo, isso mesmo irmão, a verdade mesmo quando sai da boca do ímpio você deve aceitá-la e Malafaia acertou e eu aceito. Mas, ele mesmo, o Malafaia é mais um lobo voraz entre o rebanho de ovelhas, tem menos ibope e menos dinheiro é verdade, mas é um oportunista de plantão, e faz de tudo, mesmo guerrear contra os seus iguais desde que isso seja mais uma oportunidade de ganhar um pouco mais de dinheiro.
As acusações que pesam sobre estas pessoas são de fraudes, contratos fraudulentos, lavagem de dinheiro, envolvimento com o tráfico de drogas, transporte de armas para munir traficantes, formação de quadrilha, enriquecimento ilícito, charlatanismo, em fim, estas pessoas estão mergulhadas em falcatruas e escândalos, safadezas e bandidagens, há muita impiedade nos atos destes adoradores de mamóm.
Ouvi dizerem por ai que esses escândalos abalam o meio evangélico, abalam nada! Não abala nem mesmo os seguidores destes “cães fraudulentos”, pois, eles são tão destituídos de senso crítico-bíblico que certamente continuarão levando para as mãos destes homens o seu dinheiro, seja pelo carnê da benção, seja pela campanha da prosperidade, seja comprando o livro de mil de reais, sim, eles continuarão vendendo as suas posses e entregando-as aos pés dos “seus” apóstolos. E também não abala aqueles cristãos sérios e maduros na fé, que “prova os espíritos”, que conhecem a Bíblia, pois, ela mesma nos adverte de que essas coisas aconteceriam. A nós não nos abala porque não temos vínculo nenhum com essas pessoas, elas certamente não estão lutando por nós, nem mesmo estão lutando as nossas guerras. Estamos do outro lado, do lado daqueles homens santos e piedosos que “pelejaram juntos pela fé evangélica” e aqui devemos ficar “aquele que está de pé cuide para que não cáia”.
E para terminar, na resposta que Valdemiro dá ao repórter Marcelo Rezende ele sugere um programa que daria muita audiência, coloca-lo frente a frente com Macedo. Acho que aqui esse programa não irá acontecer para nos entreter, mas pode ficar tranquilo Valdemônio, você e Macedo terão tempo suficiente para este encontro, pois, vocês vão para o mesmo lugar passar a eternidade, lá se suportarem bem a chapa quente poderão falar sobre isso regado a muito fogo e enxofre[1].
Graças a Deus não estarei lá pra ver, por enquanto posso me entreter melhor assistindo CQC.


[1] Não desconsidero o poder da graça de Deus em regenerar o coração destes homens e trazê-los em fé e arrependimento sinceros ao reino do Filho, o que escrevo diz respeito ao presente.